quarta-feira, 22 de março de 2017

Curiosidades que você talvez não saiba sobre Buenos Aires

Texto e Fotos: Vitória Paiva


Desde fevereiro de 2017 estou fazendo um intercâmbio social aqui em Buenos Aires, Argentina. Essa é minha primeira vivência fora de casa e, claro, do país. Em outro post vou contar tudo sobre como tomei esta decisão. Mas agora quero contar o que tenho visto por aqui que são costumes bem diferentes, comparados a minha experiência de vida e de onde moro no Brasil. Nada que seja bizarro de ruim e que, talvez, nem seja incomum para você que está lendo. Mas vou compartilhar aqui o que para mim é novidade:

  • Para começar... Por que Buenos Aires??  Descobri que o nome pode ser uma homenagem a Nossa Senhora dos Bons Ares, santa venerada pelos marinheiros e navegantes. Pois há uma bonita lenda que conta que em 1570 chegou à praia da cidade uma caixa com uma imagem da virgem Maria com o menino Jesus nos braços e no outro um círio (vela de parafina). Desde então batizaram a cidade com o nome da santa Bonaira, da região da Sardenha na Itália, pela semelhança da santa encontrada na caixa, com ela. Outros dizem, baseados em artigos científicos, que por estar localizada em uma grande planície aberta, os ventos frequentes limpam a atmosfera evitando contaminações, por isso o nome Buenos Aires.  
  • Quem nasce em Buenos Aires é chamado de portenho (ou porteño). Isso quase  todo mundo sabe, mas descobri  que no espanhol, portenhos são aqueles provenientes de uma cidade portuária. O que é o caso de Buenos Aires.
  • Baires/Bs As = Buenos Aires. É assim que eles falam!
  • No metrô da Linha A tem uma estação chamada Rio de Janeiro. Toda vez que passo por ela dá uma saudade doida do Brasil. Ah, e o metrô de Buenos Aires é o mais antigo da América Latina!
  • No ônibus você paga por distância percorrida e não um preço único. Se você anda menos, paga menos, se anda mais, paga mais. Acho justo. Então, quando você entrar em um ônibus aqui sempre diga perto de onde precisa descer. E os preços (cotação de março de 2015) são a partir de mais ou menos R$1,20. 
  • Falando em ônibus: sempre que for pegar algum não deixe de observar se há fila. Na minha cidade, por não ter muito movimento, não é costume ter fila indiana para pegar o transporte. Então não ouse abusar e tentar furar fila em Buenos Aires. 
  • Nos mercados de Buenos Aires, como em muitas cidades ou países pelo mundo, não fornecem a bolsa de plástico. Você tem que levar a sua. A ideia é mega sustentável. Bem que isso poderia virar hábito no mundo inteiro!
  • Os parques e praças são muito bem cuidados e te dão prazer em estar lá. 

  • Devido ao clima frio da Argentina, aliado a falta de praias, o lazer dos portenhos nas estações quentes é passar grande parte do final de semana reunidos em parques/praças da cidade. É comum também vermos pessoas de roupa de banho tomando sol sobre a canga estendida. Eu, por sinal, já estou adepta ao “domingo no parque” com piquenique.
Olha eu aí (centro) com colegas de intercâmbio em Belgrano!

  • Infelizmente aqui em Buenos Aires (não sei se é em toda a Argentina) eles têm o hábito de fumar dentro dos boliches (boates) e bares. Além disso, os portenhos fumam bastante, de um modo geral.  Para quem não fuma isso é bem desagradável!
  • Puerto Madero é, praticamente, um bairro em homenagem às mulheres. Todas as ruas têm nomes femininos. Lindo, né? Inclusive a ponte que é cartão-postal do bairro faz referência às curvas de um casal (no caso da mulher) dançando tango.

  • Existe feriado de Carnaval em Buenos Aires (comum nos países Católicos), mas não lembra nada o Carnaval do Brasil. Preste atenção que é apenas feriado e não comemoração. Diversas pessoas me perguntaram o que eu estava fazendo no carnaval aqui e eu dizia que não estava fazendo nada. É exatamente isso que tem aqui: nada durante os quatro dias de feriado (sábado, domingo, segunda e terça). Mas nada que uma turistada pelo centro e pontos turísticos da cidade não ajude a sair do tédio. Pra quem ama Carnaval do Brasil não aconselho vir para cá. Os brasileiros que vivem aqui até fazem uns bloquinhos, mas não se compara com nosso país. Se você busca sossego pode vir tranquilo passar esse feriado.
  • A gorjeta aqui é chamada de propina. Não tem um valor pré-estabelecido sobre o valor total da conta e nem é obrigatória, mas é de bom tom deixar uma gratificação para o garçom, se você foi bem atendido e ficou satisfeito. 
  • Os portenhos são muito patriotas e militantes. Falo isso porque desde que cheguei aqui tenho visto protesto todos os dias na rua. No Dia Internacional da Mulher, inclusive, um protesto GIGANTE parou a principal avenida da cidade. E foi lindo de se ver! É muito organizado (tem cordinha para separar os “grupos”, gente puxando na frente, controlando as laterais e atrás do grupo). 
Protesto pelo dia internacional da mulher
  • O obelisco marca o local onde foi levantada a primeira bandeira argentina da cidade. Antes de ser construído havia uma igreja chamada San Nicolás (nome do bairro), que foi derrubada para dar lugar ao Obelisco.
  • Estranhei um pouco a comida. O arroz daqui é bem diferente do Brasil. Meio papa, ao contrário do nosso arroz soltinho. Senti falta também do tempero brasileiro, para mim, sem igual. Mas gosto não se discute. Em compensação tem carnes muito gostosas como o chorizzo, as papas (batatas fritas) de acompanhamento, as empanadas, os sorvetes, as medialunas, os alfajores, as massas, ...
  • Os homens aqui se cumprimentam com beijo na bochecha. Ok, entre famílias no Brasil, pais, filhos, irmãos e avós, homens muitas vezes trocam beijos. Mas de um modo geral, entre amigos e conhecidos, o cumprimento é mais "frio", como o aperto de mão, tapinhas nas costas e no máximo um abraço.
  • As baladas aqui começam às 2h e acabam lá pelas 7h/8h. Haja disposição, hein?
  • Visitar o Cemitério da Recoleta, onde estão enterradas grandes personalidades argentinas, é programa comum para turistas. Os Argentinos endinheirados investem muito nos mausoléus e tem cada lápide de cair o queixo de tão bonita. Se você não se sente bem por conta de ser um cemitério talvez a visita não seja tão agradável, mas é tudo lindo. Acho que vale a pena visitar!Legenda: Cemitério da Recoleta é um charme em arquitetura
  • Você sabia que tem como fazer uma visita guiada na Casa Rosada? É fácil. Só entrar aqui no site para saber informações  e se inscrever. Acontece aos sábados, domingos e feriados. Tem visitas guiadas em espanhol e inglês.

  • Buenos Aires tem praia! Nas margens do Rio de La Plata tem uma “espécie” de praia com cadeiras, guarda-sol e tudo. Mas mar mesmo é só a vista. Para se refrescar tem uns brinquedos que saem água e duchas. Bom para crianças. Fica no Parque de Los Niños, um lugar enorme e que pede a visita.
  • Argentinos bebem muito mate, assim como o povo do sul do Brasil. E comem muita massa!
  • Como na maior parte das grandes capitais, com grande comunidade de orientais, Buenos Aires também tem um bairro chinês, repleto de lojinhas onde é fácil encontrar umas lembrancinhas baratas. 
  • A vida cultural em Buenos Aires é muito rica. Aqui existem muitos teatros e casas de shows/peças. Tem ruas só com isso.


Bom, por enquanto é isso. Se eu me lembrar de mais coisas faço outro post. Até eu voltar para o Brasil sei que verei muitas coisas diferentes aqui, afinal estou em outro país e isso é comum, né? Não dá para sair do Brasil e querer comer arroz e feijão temperadinhos (saudades!) todo dia, ter a mesma vida que tenho na minha cidade natal. E você? O que você achou dessas curiosidades? Já viu algo diferente que não está nest post? Compartilhe conosco!

Gracias y hasta lluego!

Para ler outras matérias da Vitória Paiva, entre aqui.
Leia aqui mais posts sobre a Argentina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desta matéria? Compartilhe aqui sua experiência com outros leitores!